TRADUTOR/TRANSLATE

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

"Hijab", requerido pelo alcorão?


"Ó filhos de Adão, enviamos-vos vestimentas, tanto para dissimulardes vossas vergonhas, como para o vosso aparato; porém, a roupa da retidão/integridade, é a melhor! Isso é um dos sinais de Deus, para que meditem." 7:26

Hijab, uma terminologia que não é encontrada no Alcorão ou Hadith no contexto de código de vestimenta. 

As mulheres árabes usavam a vaguear por aí com os seios totalmente descobertos, e o versículo do Alcorão (24:31), instruiu-as a puxar o "khimar" sobre os seus seios expostos. Este pressuposto está correto, uma vez que é baseado em fatos históricos.

O substantivo khimar (dos quais Khumur é o plural) denota o habitualmente usado por homens e mulheres árabes - cobrindo a cabeça antes e depois do advento da Islã. De acordo com a maioria dos comentaristas clássicos, o khimar foi usado, em tempos pré-islâmicos, mais ou menos como um ornamento, e era deixado livremente sobre as costas do usuário. De acordo com a moda predominante na época, a parte superior da túnica da mulher tinha uma grande abertura na parte da frente, e os seios ficavam expostos, então, foi sugerido que a mulher o puxasse sobre o colo (seios). 

"O Alcorão, em árabe, instrui às mulheres para que peguem seus khimars e cubram seus jayb (plural juyub), wal yadribna bi khumurihinna 'ala juyubihinna, o que significa que as mulheres devem pegar seus khimars e colocá-los em seus seios. De acordo com o Lisan al-Arab por Ibn Manzur (d. 711/1311) dicionário árabe oficial, khimar é um pedaço de tecido usado sobre a cabeça. Um turbante masculino também pode ser chamado de khimar, e um homem usando um turbante pode ser chamado mukhtamir. Jayb é o peito de um ser humano. Também pode ser onde o pescoço e o peito se encontram ou o início da clavícula de uma mulher. Além disso, uma camisa, uma peça de vestuário ou um bolso também podem ser chamados de jayb. Os juristas acrescentam que o khimar era um pano usado no pescoço por mulheres em tempos pré-islâmicos, e que, normalmente, era jogado para trás deixando a cabeça e o peito expostos. O verso instrui que o pedaço de pano, normalmente usado na cabeça ou pescoço, cubra o peito. Os comentaristas do Alcorão enfatizam repetidamente que as mulheres em Meca e Medina tinham o hábito de expor os peitos ou parte deles, mesmo quando o cabelo estiva coberto." (1)



A palavra khumur (singular, khimar) é geralmente entendida como uma peça usada tanto por homens e mulheres árabes na época do Profeta.

O Hadith relatado por Abu Dawud, em que Asma, filha de Abu Bakr, foi ordenada pelo profeta à expor apenas o rosto e as palmas das mãos, não deve ser tomado em qualquer tipo de consideração porque é "Ahaad", ou seja, sua narração não cumpre uma das mais importantes condições exigidas, a conectividade.

A palavra "hijab" significa, literalmente, uma tampa, cortina, tela, ou apenas ocultar algo de alguém. "hijab" não é um termo técnico utilizado na jurisprudência islâmica para o código de vestimenta das mulheres. O termo utilizado na jurisprudência islâmica, que denota a conduta entre homens e mulheres em sociedade, e seu código de vestimenta, é "satr" ou "satir".

Podemos encontrar a palavra "hijab" no Alcorão? Sim, a palavra hijab, ou seu derivado, aparece em: 7:46, 17:45, 19:16,17, 33:53, 38:32, 41:05, 42:51, 83:15. Em nenhuma dessas passagens hijab significa algo que se usa nos cabelos ou no corpo.

O hijab = (partição) é apenas uma diretiva para as esposas do profeta 

(I) As esposas do Profeta não são como as outras mulheres

"Ó esposas do Profeta, vós não sois como as outras mulheres; se sois tementes, não sejais insinuantes na conversação, para evitardes a cobiça daquele que possui morbidez no coração, e falai o que é justo. E permanecei tranquilas em vossos lares, e não façais exibições, como as da época da idolatria; observai a oração, pagai o zakat, obedecei a Deus e ao seu Mensageiro, porque Deus só deseja afastar de vós a abominação, ó membros da Casa, bem como purificar-vos integralmente." 33:32,33

(II) As esposas do Profeta têm potencial para receber duas vezes a punição de esposas normais

"Ó esposas do Profeta, se alguma de vós for culpada de uma má conduta evidente, ser-lhe-á duplicado o castigo, porque isso é fácil a Deus." 33:30

(III) As esposas do Profeta têm potencial para receber duas vezes a recompensa de mulheres normais

"Por outra, àquela que se consagrar a Deus e a Seus Mensageiro, e praticar o bem, duplicaremos a recompensa e lhe destinaremos um generoso sustento." 33:31

Nota: É evidente a partir da narrativa acima, que por serem esposas do Profeta elas não se tornam automaticamente justas. A partir do Alcorão é claro que tanto as esposas de Ló e de Noé não foram justas (66:10), no entanto a esposa do faraó foi realmente justa (66:11).

(IV) Não podem se casar novamente

"... Não vos é dado molestar o Mensageiro de Deus nem jamais desposar as suas esposas, depois dele, porque isso seria grave ante Deus." 33:53

(V) As esposas do Profeta são como mães para os crentes

Esta é uma relação espiritual eletiva do mais alto grau, as esposas dos profetas são para ser vistas como em um relacionamento espiritual semelhante ao das nossas próprias mães. O respeito e bondade oferecido a elas também devem ser de um estatuto semelhante.

Tendo estabelecido o princípio, de que as esposas do Profeta não eram como as outras mulheres, torna-se óbvio que a diretiva para a tela (Hijab) é apenas para as esposas do Profeta e dado o texto:


E quando você perguntar a (suas senhoras) qualquer coisa que você queira, pedir-lhes atrás de uma partição (em árabe: Hijab) 33:53



(1) The Search for Beauty in Islam: A Conference of the Books Por Khaled Abou El Fadl

Nenhum comentário:

Postar um comentário